Procurar no site


Contacto

PRIMEIROS SINTOMAS
Rua da Ribeira Nova, nº 44, 1200-376 Lisboa

(+351) 21 096 48 51 | (+351) 91 507 85 72

E-mail: primeiros-sintomas@primeiros-sintomas.com

OS ASSASSINOS

OS ASSASSINOS

de Miguel Castro Caldas, ocupação de um conto de Ernest Hemingway

 

Texto Miguel Castro Caldas Encenação Bruno Bravo | Cenário Stéphane Alberto Figurinos Susana Sá | Desenho de Luz André Calado | Interpretação Dinis Gomes, Miguel Loureiro, Paulo Pinto, Ricardo Neves-Neves, Susana Sá, com participação especial de António Mortágua | Assistente de Cenografia Alice Alves Assistente de Produção Laura Tomás Direcção de Produção Círculo de Cultura Teatral/TEP, Paula Fernandes - Primeiros Sintomas | Co-Produção Círculo de Cultura Teatral - Teatro Experimental do Porto / Primeiros Sintomas

 

Sinopse

Dois assassinos entram num bar-restaurante para matarem o Sueco. O Sueco não está. Os assassinos esperam. Entretanto, alguém fala de um conto do Ernest Hemingway em que dois assassinos entram num bar-restaurante para matarem o Sueco.

 

Sobre o Texto

Dois gangsters entram num restaurante meia-hora deste começar a servir as refeições. Dirigem-se ao balcão e dizem que estão à procura do sueco. Rapidamente percebemos que vêm para o matar. O sueco costuma ir àquele restaurante todos os dias. Eles ficam à espera dele. Mas ele não vem. No fim, o criado do restaurante vai ao quarto de hotel onde o sueco está instalado. Avisa-o que andam uns tipos à procura dele para o matar, que o melhor é ele fugir. Mas ele diz que não foge, que está farto de fugir, não sairá mais do sítio onde está. Muitas adaptações têm sido feitas para cinema desta história, e todas elas (tirando a do Tarkovsky) tentam contar o que o conto não conta: quem é aquele sueco, por que mulher terá chegado àquela situação, o que acontece depois, etc. O texto que me proponho escrever é outra coisa. É falar das coisas que me vêm à cabeça ao ler esta história, as personagens que desistem activamente, como o Bartleby que prefere «não o fazer», ou o artista da fome do Kafka, que se recusa a comer. Este sueco recusa-se a fugir. O que é uma pessoa recusar-se a fugir? E quem pensa esta coisas, quem faz estas perguntas? Os próprios gangsters, o cozinheiro, o barman, uma mulher que entra, são as próprias personagens que começa a reflectir sobre estas coisas todas da vida, enquanto esperam que o sueco venha, que entre no restaurante, para ser morto a tiro, mas ele não vem hoje.

 

Classificação Etária: M/ 12 anos | Duração: 50 minutos, s/ intervalo

 

[Estreia e Temporada: 05 a 29 Maio de 2011| Qua. > Sáb. 21h30 + Dom. 16h00 | Auditório Municipal de Gaia]

 

 

REPOSIÇÃO:

04 a 15 Jan. 2012 | Teatro da Cornucópia

Qua. - Sáb. às 21h30 | Dom. às 16h00

 

Preços Bilhetes

Normal: 15€ | 50 % de desconto para estudantes, jovens até 25 anos e maiores de 65 anos (7,5€)

E. reservas@primeiros-sintomas.com | T. 91 534 19 74

 

 

*  Press Release  Reposição 2012 Teatro da Cornucópia

* nota TEP - Teatro Experimental do Porto no Facebook TEP E PRIMEIROS SINTOMAS APRESENTAM “OS ASSASSINOS”

 

 Artigo Jornal Público - ipsilon :

Jorge Louraço Figueira e os seus espectáculos de Teatro em 2011

De "Woyzeck in the highvel" a "Os Assassinos"

link: ipsilon.publico.pt/teatro/texto.aspx?id=298162