Procurar no site


Contacto

PRIMEIROS SINTOMAS
Rua da Ribeira Nova, nº 44, 1200-376 Lisboa

(+351) 21 096 48 51 | (+351) 91 507 85 72

E-mail: primeiros-sintomas@primeiros-sintomas.com

LISBOA

27 JUNHO a 15 JULHO | QUA a DOM | DUAS SESSÕES: 21H00/23H00

RIBEIRA

 

ALGUÉM PÔS CINZA NO AR QUE CONSUMIMOS Curta de Laura Gonçalo

ENCENAÇÃO, INSTALAÇÃO E INTERPRETAÇÃO LAURA GONÇALO TÉCNICO DE SOM RAFAEL OLIVEIRA

 

Aqueci o meu lugar para dar lugar a outro mas fumei-te antes de ir.

Deixo-vos o que ficou da nossa respiração, cinza de nos terem queimado. Deixo-vos também a minha cadeira que é vossa.

 

JULHO | SÁB 7 | DOM 8

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O AMOR É... LIXADO Curta de Gato que Ladra

ENCENAÇÃO RUTE ROCHA INTERPRETAÇÃO JOSÉ MATEUS | PEDRO BARBEITOS | SUSANA ARRAIS ILUSTRAÇÃO JOÃO CONCHA

 

Jorge é um homem tímido e que vive fascinado num mundo próprio. Um dia acaba por conhecer uma mulher. Entusiasmados, o irmão e a cunhada preparam um jantar fantástico para a receber.

 

JULHO | QUA 4 | QUI 5 | SEX 6

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

APARTADO 147, LX Curta de Paulo Pinto

COM PEDRO LACERDA | JOSÉ GRAZINA | PAULO PINTO


 

Apanhámos o barco e esperamos chegar ao cais do sodré, se não nos cair pelo caminho um braço, ou dois...

BRÁ-ÔH... BRÁ-ÔH... BRÁ-ÔH... FUTSCH! FUTSCH! ZING-TANG... ZING-TANG... ZING-TANG... PRÁ Á K K!...

- Olha lá vão eles beber uma guiness ao irlandês!


 

JULHO | QUA 11 | QUI 12 | DOM 15

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

BANG-BANG Curta de Mónica Garnel

COM JOANA DE VERONA | RUTE CARDOSO | MÓNICA GARNEL | SOFIA VITÓRIA MÚSICA A de G

Bang bang, he shot me down

Bang bang, I hit the ground

Bang bang, that awful sound

Bang bang, my baby shot me down.


 

JULHO | SEX 13 | SÁB 14 | DOM 15

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

CONJUNTO VIGOR Curta de CONJUNTO VIGOR

INÊS PEREIRA | SOFIA VITÓRIA | JOANA CAMPELO


 

Concerto de encerramento do festival


 

JULHO | DOM 15

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

CORTEI O DEDO COM A FACA Curta de PERFORMÁTICOS 07

TEXTO MIGUEL CASTRO CALDAS ENCENAÇÃO BRUNO BRAVO INTERPRETAÇÃO ANDRÉ CORTINA | ANDREYA SILVA | JAN GOMES | JORGE VARA | MADALENA CAIXEIRO | STEPHANIE FONSECA


 

Primeiro rascunho de um espectáculo que estreará, um dia


 

JULHO | QUA 11

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

ERA UMA VEZ... Curta de Mariana Portugal Dias

CRIAÇÃO MARIANA PORTUGAL DIAS INTERPRETAÇÃO MARIANA PORTUGAL DIAS | JOÃO CRUZ PIANISTA NUNO SOARES


 

Era uma vez... nos primórdios do cinema talvez, várias personagens de contos de fadas que se encontraram... por acaso... ao vivo e a preto e branco, num “cine-teatro” perto de si.


 

JULHO | QUA 11 | QUI 12 | DOM 15

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ESTRANHAMENTOS Curta de Emília Costa

TEXTO EMÍLIA COSTA ENCENAÇÃO BRUNO BRAVO INTERPRETAÇÃO INÊS PEREIRA | IRIS CAYATTE | PAULO PINTO


 

Sempre quis ser a amante, diz a Esposa. Que engraçado, eu sempre quis ser a esposa, diz a Amante. E eu nunca quis ser o homem, diz o Homem.


 

JULHO | QUA 11 | QUI 12 | DOM 15

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

EX-SIMBOL Curta de Leonor Cabral

CRIAÇÃO E INTERPRETAÇÃO LEONOR CABRAL


 

Eu, Leonor, divorcio-me do meu estatuto de mulher, de caucasiana, de actriz, de fertilidade, de geração à rasca, do Kurt Cobain, do raio que o parta. Simbolicamente falando, claro.


 

JUNHO | QUA 27 | QUI 28 | SEX 29 | SÁB 30 | JULHO | DOM 1

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

GERTRUDE + ALICE Curta de Miguel Loureiro

CONCEPÇÃO MIGUEL LOUREIRO E GONÇALO FERREIRA DE ALMEIDA


 

A vegetable garden in the beginning looks so promising and then after all little by little it grows nothing but vegetables, nothing, nothing but vegetables.


 

JULHO | QUA 4 | QUI 5 | SEX 6 | SÁB 7 | DOM 8

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A GOTA D’ÁGUA Curta de 33 Ânimos

TEXTO E ENCENAÇÃO RICARDO CABAÇA INTERPRETAÇÃO DANIELA ROSADO E MANOELA AMARAL


 

Mais do que silêncio, a proibição de falar, o pensamento suspenso por tempo indeterminado. Um interrogatório será suficiente para que os ideais sejam esquecidos? A ditadura aqui, agora, sempre, em todo o lado.


 

JULHO | QUA 4 | QUI 5 | SEX 6

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

ENTREVISTA ALUADA Curta de Marina Albuquerque

TEXTO A PARTIR DE LANFORD WILSON TRADUÇÃO LAVÍNIA MOREIRA ENCENAÇÃO E INTERPRETAÇÃO MARINA ALBUQUERQUE ESPAÇO/VÍDEO JOSÉ BUDHA


 

Num quarto de hotel de uma cidade pequena no Missouri, uma escritora, Diane, da uma entrevista, numa tarde de primavera e vai revelando a sua relação com o campo, a sua ida para a fende cidade e como isso influenciou a sua obra...


 

JULHO | SEX 13 | SÁB 14 | DOM 15

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

LUTO # B Curta de Rui Neto

TEXTO E CRIAÇÃO RUI NETO INTERPRETAÇÃO MIGUEL DAMIÃO EDIÇÃO DE VÍDEO MIGUEL GODINHO FOTO PROJECÇÃO ANA CECÍLIO


 

Unicórnios, Pai Natal e Hamlet não existem. Luto # B é um manifesto: aprender a esquecer para ser um pouco mais livre! As palavras parecem demasiado viciadas/viciantes e impossíveis de contornar. Um luto que é resposta, revolta, passividade, hostilidade, esquecimento, solidão, agitação, ansiedade e fadiga sobre o negro que se aproxima tão ameaçador. “Eu sou pela ditadura da felicidade, pela ditadura da boa disposição, da luta, do andar para a frente e ninguém me pode parar. Ninguém me pode parar. Ninguém me pode parar.”


 

JULHO | SÁB 7 | DOM 8

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

MÁQUINA REPRODUTORA, BORRALHEIRA, PRINCESA E SECRETÁRIA TIRAM FÉRIAS E ROEM A CORDA Curta de Diana Dionísio

COM DANIELA GAMA | DIANA DIONÍSIO | ROSSANA SILVA | SUSANA BAETA


 

Uma colagem de textos, com apontamentos musicais, que quer pensar a condição da mulher – essa que, por nascer com o género com que nasce numa sociedade sexista, é ainda hoje empurrada para ser na vida uma máquina reprodutora, uma borralheira, uma princesa, uma secretária.


 

JUNHO | SEX 29 | SÁB 30 | JULHO | DOM 1

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O MENSAGEIRO Curta de Manuel Henriques

IDEIA ORIGINAL E INTERPRETAÇÃO MANUEL HENRIQUES COLABORAÇÃO ARTÍSTICA ANA BIGOTTE VIEIRA E NUNO FIDALGO


 

O Mensageiro parte da exploração de dois princípios: uma abordagem ao texto O Mensageiro de Hesse – um manifesto político escrito na forma de um panfleto por Georg Büchner em 1834; e a ideia de criar um espectáculo que fosse também um manifesto, e que se fizesse valer das características deste género para uma construção cénica. A primeira versão de O Mensageiro foi apresentada no Verão de 2011 em Lisboa.


 

JUNHO | SÁB 30 | JULHO | DOM 1

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

MINHA TERRA Curta de André Amálio

CRIAÇÃO E INTERPRETAÇÃO ANDRÉ AMÁLIO COLABORAÇÃO ELODIE DURRAND


 

Minha Terra’ aborda a descolonização portuguesa a partir de histórias e memórias de pessoas que foram forçadas a abandonar as suas casas, as suas terras, os seus hábitos, os seus haveres e refugiar-se num país da Europa que não era o seu - Portugal.


 


 

JULHO | SEX 13 | SÁB 14

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

MISS PORTUGAL Curta de Anabela Brígida

texto André Murraças encenação Anabela Brígida e Joaquim René interpretação Anabela Brígida produção Metamorfose


 

Miss Portugal é um delírio sobre um evento e uma mulher, um mono-drama de opostos e contraste onde o amor, o emprego, casamento e família são questionados por um sonho televisivo.


 

JUNHO | QUA 27 | QUI 28 | SEX 29

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A MULHER QUE DIZ O QUE FAZ Curta de Rafaela Santos | Magnólia Teatro

TEXTO FERNANDO GIESTAS ENCENAÇÃO E INTERPRETAÇÃO RAFAELA SANTOS


 

Ela tem uma inexplicável necessidade de associar a acção ao discurso. De dizer o que faz antes, ou mesmo depois, de fazer. Aparentemente, a vida desta mulher seria transparente e previsível. Mas não. Curiosamente não.


 

JULHO | SEX 13 | SÁB 14 | DOM 15

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

PRETO E BRANCO Curta de António Mortágua e David Almeida

ANTÓNIO MORTÁGUA E DAVID ALMEIDA


 

Dois amigos encontram-se para jogar uma partida de xadrez absolutamente impressionante.


 

JUNHO | QUA 27 | QUI 28 | SEX 29 | SÁB 30 | DOM 1 | JULHO | QUA 4 | QUI 5 | SEX 6 | SÁB 7 | DOM 8 | QUA 11 | QUI 12 | SEX 13 | SÁB 14 | DOM 15

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

ROCKY THE BEGINNING Curta de Sandra Faleiro

ENCENAÇÃO SANDRA FALEIRO INTERPRETAÇÃO ANA BRANDÃO | BRUNO BRAVO | ROMEU COSTA | SANDRA FALEIRO


 

Devaneios transexuais a partir de The Rocky Horror Picture Show de Jim Sherman e Richard O’Brien.


 

JULHO | QUA 11 | QUI 12 | SEX 13 | DOM 15

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O SOLENE RESGATE Curta de Ricardo Neves-Neves | Teatro do Eléctrico

TEXTO E ENCENAÇÃO RICARDO NEVES-NEVES INTERPRETAÇÃO Afonso Lagarto | Ana Catarina Ribeiro | Ana Lázaro | Ana Lopes Gomes | Ana Marques da Silva | Ana Valentim | António Braga | Bruno Huca | Bruno Simões | Célia Jorge | Clara Marie Dias | David Pereira Bastos | Diogo Tomás | Fernando Tavares | Filipa Duarte | Filipe Velez | Inês Pereira | Joana Campelo | João Ascenso | João Pedro Mamede | Judite Dias | Maria Lalande | Mariana Norton | Mirró Pereira | Patrícia Andrade | Pedro Sousa Loureiro | Rafael Gomes | Rafael Barreto | Rita Cruz | Romeu Vala | Ruben Saints | Sandra Faleiro | Simon Frankel | Tânia Alves | Teresa Macedo | Vânia Rodrigues | Vítor Oliveira DIRECÇÃO MÚSICAL RITA NUNES | MÚSICOS EDUARDO JORDÃO | JOÃO ABOIM | MARTA HELENA JORGE | RITA NUNES ASSISTÊNCIA DE ENCENAÇÃO ISAC GRAÇA


 

Um resgate solene.


 

JUNHO | QUA 27 | QUI 28 | SEX 29 | SÁB 30 | JULHO | DOM 1

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

TERRORISTAS #3 Curta de Carlos Afonso Pereira

TEXTO ANÓNIMOS ENCENAÇÃO E INTERPRETAÇÃO CARLOS AFONSO PEREIRA ASSISTÊNCIA JOAQUIM RENÉ E PEDRO SILVA PRODUÇÃO METAMORFOSE


 

Já alguém te magoou ao ponto de lhe poderes chamar terrorista?

Já magoaste alguém ao ponto de te poderem chamar terrorista?


 

JUNHO | QUA 27 | QUI 28 | SEX 29 | SÁB 30 | JULHO | DOM 1

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

VOLARE Curta de Anabela Mira

CONCEPÇÃO ANABELA MIRA E JOSÉ RAMALHO INTERPRETAÇÃO ANABELA MIRA


 

Maria Cálaste, uma pseudo-diva decadente de cheiro a naftalina, interpreta o tema “Volare” num momento tragicómico – musical. O seu microfone tem vida própria, ganha confiança e arrebata-lhe dramaticamente o protagonismo.


 

JULHO | QUA 4 | QUI 5 | SEX 6

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

W & W EM TRÊS ACTOS Curta de João de Brito | LAMA

TEXTO JOÃO LEONARDO CRIAÇÃO ESTEVÃO ANTUNES E JOÃO DE BRITO


 

W & W estabelece um cruzamento entre duas pessoas que nunca se viram antes. Duas realidades muito distantes, mas que têm muito em comum.


 

JULHO | QUA 4 | QUI 5 | SEX 6 | SÁB 7 | DOM 8