Procurar no site


Contacto

PRIMEIROS SINTOMAS
Rua da Ribeira Nova, nº 44, 1200-376 Lisboa

(+351) 21 096 48 51 | (+351) 91 507 85 72

E-mail: primeiros-sintomas@primeiros-sintomas.com

LES VACANCES DE MICHEL

LES VACANCES DE MICHEL


Exposição de desenho de Thomas Mendonça 

04 a 18 de Abril | 17h00 - 22h00 | Ribeira

 

 

Thomas Mendonça (10 de Outubro de 1991. Livry-Gargan, França), artista plástico, cresceu entre a província Parisiense e Lisboeta. Praticou desde muito cedo a decoração de interiores e as artes marciais, frequentou o curso de produção artística em têxteis na ESAAA (Lisboa) e é licenciado em artes plásticas pela ESAD (Caldas da Rainha). Tem três irmãos, um cão, uma gata, o cabelo naturalmente loiro, reside e trabalha atualmente em Lisboa. A sua produção manifesta-se através de variadas tecnologias, embora com maior ênfase atual na cerâmica e no desenho.

 

 

“Les Vacances de Michel” é uma série de desenhos iniciada na segunda metade do verão 2014 representando situações da vida de um pequeno E.T. chamado Michel.

Este conjunto de representações fiéis à realidade ilustra peripécias e banalidades do quotidiano de Michel&companhia e outras figuras famosas da mitologia, invasões de fantasmas e lutas (por vezes interiores). Michel não é propriamente nenhuma figura central e/ou principal. É apenas um nome, um propósito para mostrar (principalmente) aquilo que existe em seu redor, definindo - sem nenhuma narrativa necessariamente fixa ou rígida - o decorrer de um verão (e outono, e inverno) parcialmente invulgar.

O universo de Michel surge através da vontade de falar acerca de variadíssimos assuntos de uma forma irónica, desdramatizando situações profundamente perturbadoras e dramatizando outras perfeitamente triviais. Coabitam nestas folhas elementos falsos referentes à minha realidade pessoal, alguns reais mas referentes à senhora morena do talho onde nunca fui, outros referentes a ti/vós/eles, e ainda outros referentes a mentiras universais (ou pelo menos ocidentais).

O grau de realidade destas imagens não deverá de todo ser relevante. Elas existem. Elas contam uma história, ou duas ou mais, falam de problemas específicos e do triunfo gradual perante os mesmos, apontam para fraquezas e demonstram fragilidades, expõem sentimentos complexos, confundem factos com memórias de vidas que nunca existiram, por vezes querem ser giras ou engraçadas e ambicionam acima de tudo ser de uma profunda sinceridade.

 

 

www.thomasmendonca.weebly.com