Procurar no site


Contacto

PRIMEIROS SINTOMAS
Rua da Ribeira Nova, nº 44, 1200-376 Lisboa

(+351) 21 096 48 51 | (+351) 91 507 85 72

E-mail: primeiros-sintomas@primeiros-sintomas.com

MEXE-TE

MEXE-TE

Texto Fernando Giestas | Direcção Artística e Encenação Rafaela Santos | Intérpretes Daniel Pinto, Francisco Campos, Leonor keil e Mayla Dimas | Apoio ao Movimento Leonor Keil | Desenho de Luz Cristóvão Cunha | Figurinos Rafaela Mapril | Apoio à Produção Lia Fabíola | Produção Primeiros Sintomas | Co-Produção Teatro Viriato / Primeiros Sintomas

 

Mexe-te! é a história de um grupo de pessoas que pertencem à mesma família e grupo de amigos e que, num determinado momento das suas vidas entram numa espiral de memórias, iniciando uma viagem na qual irão recordar-se e viver alguns momentos da sua vida em que tiveram, de algum modo, contacto com a dança.

Esta selecção, esta convocação de memórias ocorre num ritmo por vezes frenético e não necessariamente seguindo uma ordem cronológica; o que dita as vivências é a emoção, vivida através de movimentos, de passos que nos fazem lembrar, talvez danças de salão, europeias, folclóricas e/ou de estilos não convencionais, danças intemporais e sem rótulos tradicionais, por vezes sem estilos definidos. Estes "bailarinos" não são necessariamente virtuosos na dança. São antes personagens que se revelam através de passos de dança e das relações vividas entre si. A forma dos seus corpos se movimentarem no espaço, dos seus olhares cúmplices, dos seus pequenos diálogos, da sua relação com os ambientes definidos pela luz e criados pelas suas próprias vozes amplificadas, embalam-nos e revelam situações limite onde a paixão, o ódio, a monotonia, a apatia, a insatisfação e a frustração do inalcançável e também a felicidade se confundem e se chocam. Estes momentos seleccionados destas quatro personagens são desvendados como se de retalhos de memória se tratassem, percorrendo épocas diferentes, revelando diferentes fases de relacionamento entre si, mudanças de interesses, de ideais pessoais, políticos e sociais, que reflictam as mudanças estruturais que incluem grandes evoluções da humanidade. A dança é aqui trabalhada como fenómeno social e tradicional, mas também emocional e pessoal, onde as coreografias e as palavras, as melodias e os ambientes sonoros criados pelos próprios, têm a mesma importância e servem a ideia de urgência de movimento, na convicção de que a Humanidade se desenvolve e se torna mais humana através do movimento. Se não se mexerem, nada acontece.

 

Classificação Etária: M/ 12 anos | Duração: 60 min.

Estreia e Temporada Teatro Viriato | 1 e 2 Fevereiro 2008