Procurar no site


Contacto

PRIMEIROS SINTOMAS
Rua da Ribeira Nova, nº 44, 1200-376 Lisboa

(+351) 21 096 48 51 | (+351) 91 507 85 72

E-mail: primeiros-sintomas@primeiros-sintomas.com

DESCRIÇÃO

FADOS

Músico Abel

Interpretação Nuno Silva

 

________________________________________________________________________

GUINÉ MEU AMOR

de Fernando Villas-Boas

Interpretação Anabela Brígida, Raquel Dias

 

Pequena farsa sentimental, construída no ambiente dos clichés de linguagem da sedução dos finais dos anos 60, princípios de 70, roubada ao meio das fotonovelas. Duas amigas e um sedutor ou seduzido são as personagens.

As pequenas mentiras do vocabulário sentimental aceitável da altura servem para encobrir mais do que para mostrar, como sempre. Na sombra do croché emocional, estão os anos verdadeiros da experiência histórica portuguesa, e seus eufemismos.

________________________________________________________________________

O LÍDER

de Gonçalo Amorim e David Almeida

Encenação Gonçalo Amorim

Interpretação David Almeida

 

Um líder em discurso directo pela voz de David Almeida

________________________________________________________________________

MANUAL

de Patrícia Andrade e Ricardo Neves-Neves

Encenação Ricardo Neves-Neves

Interpretação Patrícia Andrade

Coreografia Bernadete Sant’anna

Música Sérgio Delgado

Fotografia Pedro Frois Meneses

Assistente de Encenação Sílvia Figueiredo

 

Uma professora, uma menina e a sua mão esquerda dançam na floresta.

________________________________________________________________________

MARIA JESUÍNA – A MIKAS

de Emília Costa

Encenação Sandra Faleiro, Bruno Bravo

Interpretação Ricardo Neves-Neves

 

Os amores e misérias de Maria Jesuína, a Mikas, relatados pela própria, numa cela de prisão, onde se encontra por suspeita de ter mandado matar o marido.

Num pungente manifesto contra a terrível injustiça que sobre si recaiu por ter sido considerada a mandante do crime, Maria Jesuína denuncia as iniquidades de que foi sendo vítima e justifica, ainda que negando, os motivos pelos quais o homicídio do seu marido se impunha.

_______________________________________________________________________

O PÁTIO

Uma peça de estendal

Encenação Bruno Bravo

Interpretação Ana Lázaro, Bruno Huca, Sara Gonçalves, Ricardo Neves-Neves

 

O Sapateiro, o Cão, a Menina e a Mulher do Estendal num pátio imaginado de Lisboa.

 

_______________________________________________________________________

O REGRESSO DE NATASHA

de Ricardo Neves-Neves

Encenação Ricardo Neves-Neves

Interpretação Ana Lázaro, Rita Cruz, Rogério Jacques, Vítor Oliveira

Música Sérgio Delgado

Movimento César Ribeiro

Assistente de Encenação Bruno Huca

 

Um episódio na história de quatro desconhecidos, sem nada em comum entre eles. A solidão é a linha que os une. Em poucos minutos de partilha de um mesmo espaço, estes estranhos amam-se como se tivessem vivido juntos desde sempre. Todos eles vivem no limiar da sanidade, que insistem em conservar para manter esse amor, que se poderá traduzir numa outra palavra: companhia.

G. é um condenado a cumprir a pena de, enquanto não passar um táxi, ficar numa rua deserta (que não é longe do Capitólio, mas também não é perto); a Velha é uma divindade, ladra de carteiras e sabe que vai morrer às 5 para as 6; a maternal Prostituta da Street Avenue procura o seu órgão genital há muito perdido e a ela é pedido que ponha um ovo para satisfação de G. Estas três personagens arrastam outro homem, L., que, por acaso se encontra naquela rua deserta à procura de um táxi. Este, aos olhos de G., da Velha e da Prostituta assume o papel de licenciado, familiar, professor, médico e padre. L. Sente-se sugado pelas necessidades das outras personagens, até lhes ceder a verdade de que também precisa delas.

________________________________________________________________________

RELICÁRIO OU SMS SWEETHEART

de Raquel Dias

Interpretação Raquel Dias

Som Sérgio Delgado

Cenografia Stephane Alberto

Desenho de Luz José Manuel Rodrigues

Vídeo Edgar Feldman

 

Sobre as memórias de um amor guardadas no interior de um ecrã de telemóvel em forma de sms’s. O ecrã como relicário, tanto os sms’s como os relicários pressupõe ausência, separação. Definição de relicário: caixa ou cofre, bolsa ou caixilho onde se guardam relíquias, objectos sagrados; tem origem no antigo hábito de se conservarem os restos dos mártires e dos santos, como também algumas partes do seu vestuário; os relicários têm formas diversas, desde simples caixas até imagens esculpidas ou cofres de metais preciosos.

________________________________________________________________________

TRAZ-ME O TEU AMOR

A partir de Charles Bukowsky

Encenação Stephane Alberto

Interpretação Bruno Bravo, Catarina Mascarenhas, Miguel Castro Caldas, Raquel Dias

 

Uma manhã num quarto de motel, desencontros ébrios de um homem com as suas companheiras de ocasião.

_______________________________________________________________________

MESSENGER

Interpretação Nuno Lopes

 

Monólogo a partir do personagem Mensageiro do Édipo de Sóflocles

_______________________________________________________________________

NUNG-KUA-MA

Criação e interpretação Nuno Silva

 

Contos Chineses